Da Casa para o Beco

Direcção artística: Lorenzo Bordonaro e Sílvia Olivença

Na Mouraria, situa-se o Beco do Rosendo.

 

Com dois acessos laterais, por duas longas escadarias junto à Rua da Madalena, o Beco do Rosendo (à Mouraria), resguardado do tráfego citadino e das ruas principais é, atualmente, lugar de residência de diversos moradores e alberga uma importante associação/espaço cultural – A Renovar a Mouraria. Tempos houve, em que o atual Beco do Rosendo, ‘dava pelo nome’ de Beco da Cancela, derivado às ferraduras que ali se fabricavam para as cavalariças (situadas no atual restaurante Baleal) e às duas cancelas que condicionavam os acessos ao espaço. Durante várias décadas, o Beco do Rosendo vivia ao ritmo de vários ofícios, como o serralheiro, o ourives, o estofador de sofás e poltronas e o carpinteiro. As crianças jogavam à bola e faziam deste espaço um recreio protegido e ao mesmo tempo aberto para o mundo. Hoje em dia, a vida e agitação do Beco continua presente, mas assumiu outras formas e outros ritmos. 

 

Nesta sequência, a intervenção do EBANO Collective no Beco do Rosendo consistiu em 4 diferentes instalações e intervenções, visando  interceptar o passado semi-industrial do beco e dar visibilidade à presença de ofícios, atualmente extintos.

 

Projecto patrocinado pela associação Renovar a Mouraria e  financiado através do programa BIP-ZIP 2013 da Câmara Municipal de Lisboa. A intervenção do EBANOCollective contou ainda com o apoio do FABLAB Lisboa

As 7 esculturas instaladas nas paredes do Beco do Rosendo foram realizadas pelo EBANOCollective utilizando objetos encontrados na antiga Serralharia da Baixa, antigamente localizada no Beco do Rosendo nº 4

 

The 7 sculptures installed on the walls of the Beco do Rosendo were created by the EBANO Collective welding together abandoned objects found in the ancient metalwork shop Serralharia do Beco, once located in the Beco do Rosendo nº 4. 

1/4

Com o objetivo de dar visibilidade à presença de ofícios que há algumas décadas se concentravam no Beco do Rosendo, entretanto extintos, procedeu-se à recuperação desta máquina de perfuração, que se encontrava inutilizada e abandonada na antiga Serralharia da Baixa, localizada no Beco do Rosendo nº 4.

 

Drilling machine, found abandoned in the ancient metalwork shop Serralharia do Beco (once located in the Beco do Rosendo nº4). The piece of machinery was restored as a monument to the small industrial activities that characterised the Beco do Rosendo in the past and that have now disappeared.

1/3

1/6

Rua da Madalena 216: Intervenção luminosa na estrutura de andaimes (visível à noite).

 

Rua da Madalena 216: Light installation on the scaffoldings (visible at night)

Utilizando o lado oposto das chapas publicitária da antiga Serralharia da Baixa (localizada no Beco do Rosendo nº4), os artistas do EBANOCollective reproduziram um fragmento do DNA humano, dividido em três colunas, inspirados na representação do DNA obtida com o método de sequenciamento de Sanger (chain-termination method). Cada uma das três colunas é constituída por 4 faixas verticais que correspondem às 4 bases que constituem os nucleotídeos do DNA: Guanina, Timina, Adenina e Citosina. Esta reprodução de uma porção do genoma humano pretende salientar, através da linguagem da ciência biológica, a possibilidade da construção de um terreno de diálogo e de troca através das diferenças.

 

Using the reverse of the steel advertisement cards of the ancient metalwork shop Serralharia da Baixa (once located in the Beco do Rosendo nº 4), the artists of the EBANO Collective reproduced a fragment of the human DNA, divided into three columns. Each column is further divided into 4 vertical stripes, each representing the 4 nucleotides constituting the DNA: Guanine, Thymine, Adenine, Cytosine. In the artists’ intention, the representation of the human genome expresses in metaphorical terms the possibility of dialogue and understanding beyond differences.

Sobras da Serrralharia